_Portugues

PORTUGUÈS. Traducció de Joan Navarro
http://www.revistazunai.com/traducoes/mireia_calafell.htm

Absurdo esforço confuso escrito com sangue
caduco intento pedante de aroma de rosas,
distraída vontade cortês de salas próprias,
tenaz anseio vencido em clãs com pelos,
penoso esquecimento afogado de versos estridentes
que por não levar pseudônimos ainda há de esperar
o belo acaso sonhado de um entardecer que faça
com que o mundo volte a ser mundo e os anos, palavras.

CARTOGRAFIAS (Cartografies)
No corpo tens traçados caminhos de céu,
voo com os dedos.
Daqui do alto, cada sarda é um lago,
bebo o desejo.
Apanha o sol que anoitece,
banha-me assim.

ÂNGULO MORTO (Angle mort)

Pelo retrovisor:
um segundo de ar
enquadrado

Florencia Kantor, Bambalinas

Do retrovisor por onde desliza o passado
que tento escrever há um ponto cego,
um retalho de vida, imagens e palavras que vivi
ou sonhei, que mais…Um pedaço que foi meu
e me escapa à medida que avanço autopista adiante
para um destino que desconheço: uma paisagem de vida,
imagens e palavras que viverei ou sonharei, não importa.
E com o tempo fugirão de mim talvez pela mesma
fresta de esquecimento que o espelhinho não alcança.

É concêntrica a vida através do retrovisor.

MAL DO MAR (Mal de mar)

Gulosos ciúmes de mundos que agora te admiram:
paisagens desconhecidas que posso imaginar
–com tantos documentários, tantas revistas,
é suficiente recordar recordações dos outros:
já não é possível viajar para além do simulacro.

Mas você foi tão longe, tão fora de nós
que na mala levou o desejo de lhe esperar.
E é que sabíamos, havíamos dito:
será difícil não afogar-se em tanta água.

Anuncis